Associação de Cegos Louis Braille

A Instituição surgiu em maio de 1973, criada por um grupo de cegos dissidentes da Associação de Cegos do Rio Grande do Sul, liderados por Venceslau Antonio Padilha e Antonio Quaresma da Silva. Estes discordavam com a política de atendimento aos cegos do RS e com a falta de práticas desportivas para os cegos do Estado, e tinham como meta inicial a prática desportiva para este segmento. Na época, a única entidade de cegos existente no Estado não contava com departamento esportivo.

Após o início das atividades, a Sociedade Esportiva Louis Braille-SELB deu continuidade a uma história marcada pelo pioneirismo na prática de esportes para deficientes visuais no Brasil. Consagrou-se com vários títulos de campeã de futebol de salão e atletismo Municipal, Estadual e Nacional. Em 1983, a SELB passou a ser denominada Sociedade Louis Braille- SOLB, a fim de atender uma procura de seus associados referente à área social.

Em 1998, a SOLB realizou uma nova mudança em seu estatuto, passando a ser denominada de Associação de Cegos Louis Braille – ACELB. Mudou, também, sua sede para o bairro Rubem Berta, na Rua Braille, 480 – Porto Alegre, em terreno doado pela COHAB - Cooperativa Habitacional. Permanece neste endereço até os dias de hoje.

Ao deparar-se com alguns problemas de pessoas cegas idosas em situação de vulnerabilidade social que não eram atendidos pela rede pública, decidiu criar um departamento que os atendesse. No seu estatuto, previu-se a criação de uma casa lar para este público. Em 1995, foi dado início à construção deste espaço físico, e, em 2000, a Casa Lar do Cego Idoso foi inaugurada, contando inicialmente com 12 moradores.

A Casa tinha capacidade para atender 80 pessoas, e pretendia priorizar o atendimento para idosos com deficiência visual, acima de 60 anos, de ambos os sexos e classes sociais. Sua construção foi feita através da colaboração financeira de pessoas da iniciativa privada e do poder público, como o Governo do Estado do Rio Grande do Sul (através do Projeto Mãos Dadas), a Prefeitura Municipal de Porto Alegre, a Sociedade São Miguel Arcanjo e a Fundação Internacional Lions Clubes.

Com o passar dos anos, a ACELB começou a acolher pessoas com outras deficiências, decidindo ampliar seu foco e abraçar todas as causas. Atualmente, possui moradores com deficiência visual e outras degenerações, tais como doença de Alzheimer, mal de Parkinson e surdez, entre outras.